contato |@| sobremusica.com.br

Bernardo Mortimer
bernardo |@| sobremusica.com.br

Bruno Maia
bruno |@| sobremusica.com.br

17.12.07

Show: Nação Zumbi, no Circo Voador

A Alma e A Fome







       O show começa com Bossa Nostra, e o refrão-palavra-de-ordem "Eu levei minha alma para passear". Antes de puxar o hit do disco anterior, Futura, e do que veio antes desse, Nação Zumbi como a banda, todos já estão pulando, enlouquecidos. Sem as incertezas das primeiras apresentações de outras turnês recentes, a banda que muitos consideram a melhor do mundo mostra que estrada é diferente de carreira é diferente de estúdio.
       Não como o fim da temporada de shows de Futura, a quarta música já é uma do repertório da época de Chico Science. Melhor assim, não fazia mesmo sentido separar uma primeira metade da apresentação de 98 pra cá, e uma segunda com a fase anterior ao acidente do dia 2 de fevereiro de 97. Até Maracatu Atômico, música que foi incluída em Afrociberdelia por sugestão posterior à gravação do disco, em 95 (lançado em 96), entra na lista de executadas.
       O Rio é dos melhores palcos para o Nação Zumbi, e o show mostra que aqui eles estão em casa - não é só uma frase que DuPeixe fala por falar. Pela reação do público, pela lotação do Circo Voador, pelo barulho que a saideira com Otto e B Negão no palco provocam em Da Lama Ao Caos, foi um showzão. E foi mesmo. Um show que não esfria em nenhum momento do percurso dos pernambucanos, ou seja, todos conhecem e gostam de qualquer fase. A história ali de cima do palco é também a história de boa parte de público, formado não exatamente por adolescentes.
       Por todo esse respeito, fica também um pouco da dificuldade em avaliar o que é este Fome de Tudo, o primeiro disco do Nação Zumbi na Deckdisc, uma gravadora nova e conhecida pelo investimento no que dá certo. De cara, a oferta pela banda tinha o produtor Mario Caldato, que na década de 90 renovou o som de Beastie Boys e Beck, e já nos anos 00 esteve por trás de sucessos de crítica e público como Marcelo D2 e Marisa Monte. Fome de Tudo não tem o charme experimental do Futura, nem é calorento como Nação Zumbi (o disco) ou guetificado e esquisito como Rádio S.Amb.A. A opção é pela guitarra com pedais mais de timbragem do que de efeitos, por muitos refrães, e o grande acerto: por melodias vocais. A grande mudança que o último trabalho dos pernambucanos traz é justamente valorizar a voz de um cantor que, ao assumir o lugar de Chico Science, foi muito comparado. DuPeixe sempre respondeu falando pouco, cantando falado, sem se fazer nem de estrela nem de coitado. Agora, segundo entrevistas recentes, ele canta linhas melódicas que ascendem e descendem porque aprendeu a não ler as letras na hora de gravar. Com tudo decorado, a voz voa livre.
       É uma grande mudança, quase uma revolução surda no som do mangue, mas não é o suficiente para colocar o disco à altura da carreira da banda. É ruim? Longe disso, muito acima de boa parte do que se considera bom no cenário brasileiro. Mas também não passa perto da média que o próprio Nação Zumbi construiu desde Da Lama Ao Caos, em 94. O que tem o Fome de Tudo a deixar de legado, mais do que três ou quatro músicas com mais fôlego, é justamente a consolidação de um novo nível do vocalista que pouco a pouco vinha passando por bobagens repetidas como a de que ele aprende em cima das próprias limitações.
       DuPeixe concentra sabedoria no meio do palco, sem sorrisos, sem palavras a mais. Assume o canto falado e com ele levanta ou acalma o público. Duas turnês antes, a festa do afrobeat era a referência para uma apresentação em que cada integrante da banda tinha momentos à frente de todos, microfone, dança, luzes. O guitarrista Lucio Maia, o mais incendiado de todos, até improvisava um "editorial" em cima das notícias da semana, antes de emendar Coco Dub, quase solo. Agora, não. O microfone até troca de mão, mas ninguém tem dúvida de quem leva para onde os rumos do coletivo. DuPeixe tomou conta do Nação Zumbi, sem ser um líder de ego inflado tradicional, e com uma serenidade que está acima deste disco, e à altura da banda que defende.
       Ainda é, para mim, a melhor do mundo, e parte significativa da disposição deste site em existir. No mínimo, boa parte da educação que resulta nos pensamentos deste BM aqui.

2 Opine:

At 03:25, Anonymous Anônimo said...

Fala, Bernardo. Pô, não concordo que o "Fome de Tudo" seja inferior aos outros discos.
É um disco pop, mas é pop à lá Nação, ou seja, do caralho!
Eu acho que os caras tavam precisando de um disco assim, mais redondo.
O "Da lama ao Caos" é todo homogênio, como o "Fome de Tudo" e ninguém coloca defeito por isso.
Um abraço.
Jose Henrique

 
At 03:59, Anonymous Anônimo said...

Fatou dizer uma coisa.
Acho que os fãs da banda concordam comigo, pois, pelo que sei o Circo Voador nunca esteve tão lotado pra um show da Nação.

Jose Henrique

 

Postar um comentário

<< Home


Chappa: Newsletter Novembro
Videoclipe :: Moptop, "Bem melhor"
Moptop :: "Bem melhor" (ao vivo) - [trailer]
Acontece :: Moptop
CD :: Os Paralamas do Sucesso ao vivo no Rock in R...
Supertrunfo Rock Nacional
Música de segunda
Chappa: Newsletter Outubro
Despedida: Lasciva Lula, no Odisséia
Myspace :: Marcelo Camelo

- Página Inicial

- SOBREMUSICA no Orkut



Envio de material


__________________________________

A reprodução não-comercial do conteúdo do SOBREMUSICA é permitida, desde que seja comunicada previamente.

. Site Meter ** Desde 12 de junho de 2005 **.