contato |@| sobremusica.com.br

Bernardo Mortimer
bernardo |@| sobremusica.com.br

Bruno Maia
bruno |@| sobremusica.com.br

14.4.07

Fino Coletivo no Cinemathèque

Universos entrecruzados

      Um pop de fim de tarde, que dosa bem as programações eletrônicas e a valorização à melodia, de músicas compostas ao violão. É assim a transposição do som gravado do Fino Coletivo para o palco, pelo menos nas que dá para ouvir no myspace.
       A apresentação tem mesmo a cara de união de forças, são oito artistas reunidos em um projeto paralelo coletivo, e isso é perceptível na extrema divisão de tarefas – e no resultado de tantos elementos sonoros. Ontem, na mais nova casa de shows da zona sul do Rio, dois do octeto não estavam: Wado, em Maceió, e Lucas Margutti, normalmente atento às projeções. A falta pode fazer a mistura globo-regional pender mais para o Rio, mas o risco não é de preocupar. O que soa, soa bem e rico. Sem excessos, sem ruídos.
       O show começa com as duas músicas mais fortes do repertório que está na Internet, Boa Hora e Partiu Partindo. Na primeira, a guitarra de Marcelo Frota suinga o samba ao se passar por cuíca. A canção defendida por Alvinho Lancellotti é preguiçosa, no sentido caymmiano, e se apresenta como um samba de apartamento com jeito de mpb. A segunda, cantada por Marcelo, tem um groove funkeado – e privilegia as vogais das sílabas, sempre esticadas um pouco além do que seria o esperado. A linha de baixo é reforçada por bases que também são disparadas também por Daniel Medeiros. Nas duas, um violão esperta segura a base.
       O show segue abrindo espaço para o que é do universo de baile autoral que a banda pretende, e para obras dos trabalhos principais dos finos, até que Lucas Santtanna – o convidado da noite - sobe e vai de Lycra Limão. O naipe cheio de ecos da versão original é substituído por uma base gravada que tira um pouco de calor do som para trazer a idéia para a mistura fina, mistura coletiva da banda. Do sol forte de meio-dia de Lucas, entardece-se um pouco até o ocaso alaranjado. E em seguida Dragão, também do myspace, também com Lucas. Ele entra no lugar de Siri – que aliás mereceria um texto só para ele. A segunda, às vezes terceira voz da banda, é o toque de forró que o coletivo ensaia mas não concretiza.
       A que mais levanta o público é, acho que o nome é esse, Uirapuru. Refrão fácil, onda de vinheta. E já nos ensejos para encerrar a apresentação, Tarja Preta, uma aproximação ao samba esquema nordestino de um mundo livre s/a, por exemplo. Que, aliás, foi até a última música do set do dj Galalau, preparando a entrada do Fino.
       Em resumo, um show de repertório até irregular, mas com muitos e variados excelentes números e – o melhor de tudo - sem fronteiras entre os universos de cada cabeça do coletivo.



Nada a ver

      Na platéia, aproveitando os últimos dias de anônimo, e à caça, o destruidor de reputações...

1 Opine:

At 01:17, Anonymous João Brasil said...

Hahahahahahahaha! Destruidor de reputações é fantástico!

abraço,

João Brasil.

 

Postar um comentário

<< Home


Completando os sentidos...
MAGIC NUMBERS NO BRASIL !!!!!!
DFA 1979, Panic! At the Disco, Gabriel Benni
Se você tem um videoclipe...
New Rave (Old Punk)
"Abriram o portal..."
Entrevista: Felippe Llerena (iMúsica)
Entrevista: Paulo Marinho (Multishow)
Entrevista: Alexandre Matias
Promoção Eumir Deodato

- Página Inicial

- SOBREMUSICA no Orkut



Envio de material


__________________________________

A reprodução não-comercial do conteúdo do SOBREMUSICA é permitida, desde que seja comunicada previamente.

. Site Meter ** Desde 12 de junho de 2005 **.