contato |@| sobremusica.com.br

Bernardo Mortimer
bernardo |@| sobremusica.com.br

Bruno Maia
bruno |@| sobremusica.com.br

6.1.07

Curumin no Humaitá Para Peixe

Índio Japa Caboclo de Cavaco Bota a Galera Para Dançar



       Curumin chegou ao Rio sem muito mais do que uma primeira vinda discreta, um currículo de baterista do Arnaldo Antunes, e turnês pelos Estados Unidos. Tinha, sim, uma banda the Aipins pronta para dividir as ações, principalmente quando Guizado assumia o trompete e no baixo de Lucas Marins. E isso bastou para o bailão do primeiro dia de festival.
       Com um riso quase sarcástico no rosto, o índio japa caboclo... entrou, cumprimetou a todos em cima de uma base pré-gravada, e foi para a bateria. Lá, puxou a entrada dos músicos. O riso continuava no rosto. Não era só uma pilantragem performática, era também contentamento com a casa cheia, as meninas dançando ali na frente do palco, e a cidade Rio o acolhendo.


       O Rio é parte sólida do repertório do paulista, seja na escolha do funk pré-Marlboro (será que existe isso?) Feira de Acari, ou simplesmente na eminência de Tim Maia ali entre os ecos e delays de tudo: a voz, as programações, o cavaquinho elétrico, o solo de metal. Quando, ainda no começo do show, se levantou das baquetas e ofereceu Guerreiro, o hit da persistência meio insolente de um Macunaíma que se dá bem, Curumim abriu definitivamente o canal entre palco e público. Tem no myspace.


       Dali, partiu para uma mais calma, para falar de amor. E é meio que nisso que evolui o discurso do artista. Amor, ficar junto, achar o lugar sem pressa nem desistência, aproveitar, e fazer direito. Like a Virgin, de Madonna, é mais uma afirmação esperta. Se o cara ali da platéia entender o humor, tudo certo. Se não, só ouve e dança que tá certo também.


       Do passado, lembrou de Cadê Meu Mocotó, e de hoje convidou B Negão. “A primeira vez que eu vim ao Rio, eu chamei esse cara, agora tenho que chamar de novo. Assim, quando ele for pra São Paulo, me chama também.” A descontração sobe o palco, e o samba-soul-funk contemporâneo ganha a guitarra do funk core de Funk Até o Caroço, com todo mundo cantando junto.


       Não falta estrada à apresentação, tudo caminha com a ginga de uma serenidade cósmica, um músico se apoiando no outro, com uma série de trocas de posições inclusive. E Curumin à frente. Samurai do samba elétrico, mestre-sala de uma bandeira soul, pulso com delay de uma bateria nota dez, que venha o que vier, a festa numa boa estará pronta. Vê se não perde a próxima.

2 Opine:

At 16:08, Blogger dedé aka homobono said...

fala, bernardo.
pô, me programei para ir a esse show do curumin mas por causa do ensaio dos djangos, tive que ir direto para jacarepaguá.
como o inicio das gravações lá no yuka já foi marcado, não poderíamos desmarcar esse ensaio.
espero ter a oportunidade de ver o curumin em breve. o cara agora é internacional.
e espero também logo logo te dar notícias do disco novo do djangos.
beleza???
um abraço do fã do sobremusica.

 
At 16:37, Blogger Bernardo Mortimer said...

aguardo ansiosamente, homobono. Um abração, numa boa,

 

Postar um comentário

<< Home


Esquentando
Ano novo, vida nova
Mais Listas Antes Que o Ano Termine
Profissionalizando uma banda
Obituário
O Céu de Suely, a trilha
The Information, Beck
Shows 2006´:: Shows 2007
Curtiu a vida adoidado
Porque sim.

- Página Inicial

- SOBREMUSICA no Orkut



Envio de material


__________________________________

A reprodução não-comercial do conteúdo do SOBREMUSICA é permitida, desde que seja comunicada previamente.

. Site Meter ** Desde 12 de junho de 2005 **.