contato |@| sobremusica.com.br

Bernardo Mortimer
bernardo |@| sobremusica.com.br

Bruno Maia
bruno |@| sobremusica.com.br

21.7.05

Toda cura para todo mal

está no hipoglós, no mertiolate, sonrisal. Versos a procura de um pop perfeito.

Já regressado da ida às alterosas, com um disquinho novo ganho de presente, retomemos às atividades neste site.

O disquinho a que me refiro é um discão e entitula este post. O novo do Pato Fu. Produzido longe dos olhares de uma grande gravadora, os caras (e 'a cara') fizeram o disco mais pop de sua carreira, ao mesmo tempo em que é o disco em que os tradicionais experimentalismos eletrônicos aparecem mais bem resolvidos, mais dentro das músicas.

"É o oitavo filhotinho", como Fernanda Takai diz. Ao longo dos 13 anos de carreira, a banda se acostumou a nunca ver a crítica chegar a consensos sobre seus trabalhos. Acompanhando mais cuidadosamente, é fácil encontrar textos dizendo que tal disco é o melhor da carreira deles e textos dizendo exatamente o contrário sobre o mesmo trabalho. O mesmo acontece quando os críticos tentam medir o grau de experimentalismo. Todo disco é o mais experimental e o menos experimental da carreira. Não há consenso com o Pato Fu. Isso é, definitivamente, um mérito.

MENTIRA MINHA!! Há um (quase) consenso em torno dos discos do Pato Fu, sim! Em todo novo trabalho, a banda sempre lê: 'enfim, atingiram a maturidade musical". Isso acontece desde o segundo disco deles, o ótimo 'Gol de Quem?'. É tanta 'maturidade' que eles daqui a pouco caem do pé!

Na minha modesta opinião, não usaria o termo "maturidade", mas acho que a banda encontrou definitivamente a estrada que queria seguir, no quarto álbum "Televisão de Cachorro". De lá pra cá, a evolução continua e soa natural. As canções são cada vez mais redondas e os efeitos eletrônicos foram sendo enxugados, ficando mais precisos. Não há muitos excessos.

Neste contexto, "Toda cura para todo mal" é o trabalho mais legal dentre estes oito. É o disco mais mais pop e, ao mesmo tempo, é nele que se ouve os elementos eletrônicos e experimentais mais interessantes de toda a carreira do grupo. Nada fica sobrando, tudo se encaixa, soando bem aos ouvidos. É um música POP de qualidade, bem diferente dessas comumente ouvidas nas rádios. Boas canções, melodias assoviáveis, refrões competentes, tudo que uma rádio poderia querer. Só que com qualidade, com trabalho e dedicação. Nada é gratuito.

John mostrou que aprendeu muito bem como produzir, gravar e mixar um disco. Tudo bem que há um quê de Dudu Marote (produtor dos 3 últimos discos de estúdio da banda), mas nada comprometedor. Algumas vezes, o novo Pato Fu lembra o os melhores momentos do Karnak, talvez pela entrada definitiva de Lulu Camargo, na banda. Arnaldo Antunes também diz oi em "Tudo". Além disso, os vocais remetendo à atmosfera de Muppet Babies, de Beach Boys, com guitarras variando entre Jovem Guarda e o riff de Supersonic, do Oasis (na faixa "O que é isso"), são referências que se cruzam com a auto referência. Em vários momentos a banda parece ter se influenciado por seus discos anteriores, repetindo experiências, mas se superando.

A banda fez um excelente disco pop. Quem dera fosse um marco do genêro no Brasil.


********
Não cabe a este site fazer propagandas, mas o Submarino está vendendo o disco a R$18,90. Como a produção foi toda independente (a Sony/BMG só cuida da distribuição), o disco consgue ter um ótimo acabamento, encarte com 10 páginas, letras e cifras das músicas, ser numerado e, mesmo assim, ter um preço justo. Assim, todas as desculpas dadas pelas gravadoras para justificar o alto preço cobrados hoje em dia caem por terra. Parabéns para a banda mais uma vez.

********
Mais um adendo. Todas as faixas do disco tem ou terão videoclipes. Alguns já estão disponíveis no site da banda. Quem está bancando a brincadeira não é Sony/BMG, e sim a própria banda. Mesmo assim, o preço do CD é esse. Dominando toda a cadeia de produção, a banda se mostra ainda mais dona de si. Com o perdão do trocadilho, "Toda cura para todo mal" poderia ajudar a curar os vícios da decadente indústria das majors e ser um marco, também, dessa nova relação entre artistas e gravadoras. Fica a torcida.

5 Opine:

At 16:49, Anonymous Aleuto Vargas said...

PATU FU EH UMA MEEEERDA!!!!!

 
At 16:14, Anonymous Anônimo said...

Se bão fosse bom não teria 13anos de carreira:D:D:D:D

 
At 10:26, Anonymous Anônimo said...

a música q intitula o nome do albém é muito afude. pato fu sempre tem umas musiquinhas da hora, bem na boa...

 
At 11:38, Anonymous daiane said...

Pato Fú é tudo de bom, exemplo paras as outras bandas, a criatividade sem fim deles promete e deixa gostinho d quero + a cada cd...amooooo

 
At 11:40, Anonymous daiane said...

e a música "!"?
Eu não teceria outro comentário...

!

Brilhante, hehehehe, teci...

 

Postar um comentário

<< Home


Foi Pouco
A Doçura Cotidiana
O Caminho de uma Profissão como Paixão
Música para aniversários
Mais do mesmo
Agendinha músicahorsconcours
Agendinha punkrock
“Tá todo mundo dançando, eu também quero dançar”
EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU

- Página Inicial

- SOBREMUSICA no Orkut



Envio de material


__________________________________

A reprodução não-comercial do conteúdo do SOBREMUSICA é permitida, desde que seja comunicada previamente.

. Site Meter ** Desde 12 de junho de 2005 **.