contato |@| sobremusica.com.br

Bernardo Mortimer
bernardo |@| sobremusica.com.br

Bruno Maia
bruno |@| sobremusica.com.br

16.4.07

Show:: Lee Perry

HalleluJah

A noite começou a se explicar quando Cristiano DubMaster, do Digital Dubs anunciou: “o que vai acontecer aqui é uma noite de glorificação”. Ok, o misticismo estava posto, as gudi vaibes tomavam conta do ambiente e a fumaça ainda era pouca. Assim como eram poucas as pessoas que se dispuseram a assistir o show de abertura.

fotos: Bernardo Mortimer


A banda que acompanharia Lee Perry subiu primeiro ao palco e não pareceu ser a suíça White Belly Rats, tão falada antes do show. De White e de suíço os caras não tinham nada. Uma busca por imagens no Google confirmam essa suspeita. Admito a falha de não ter descoberto o nome da banda que era pura explosão jamaicana. Nada de white, tudo de black, nada de scratch, tudo de roots, nos melhores sentidos que esses termos possam tomar quando o assunto é reggae-não-iô-iô. Nada de programação. Reggaezão de banda, cascudo, tenso, conduzido por um baixo impressionante. O que dava um quê de dub eram mesmo os efeitos lisérgicos da guitarra e um ou outro disparo da mesa de som na saída do mic de Perry. De resto, o som da banda se aproximava mais das bases dos anos 80, com o teclado à frente – mas que não chegava a ser um dancehall –, do que propriamente do dub.

A voz de Lee Perry beirava o esquizofrênico. Não tinha importância nenhuma a rouquidão a que os quase 71 anos lhe condenam. Ele trabalhou como um verdadeiro mestre de cerimônias, saudando, benzendo, falando sandices e desfilando história. O que Dubmaster havia previsto aconteceu. Glorificação. Glorificação de Lee Perry, glorificação do reggae, glorificação do Brasil, glorificação da macumba, glorificação de tudo.


O show durou pouco mais de uma hora. O MC Perry entrou com uma bolsa a tira-colo que deixou todos curiosos sobre o que sairia dali. Não saiu nada. No seu microfone à la terno do Falcão, cheio de penduricalhos, um espelho que por vezes refletia os holofotes direto no olho do vovô doidão. Noutros momentos, Perry resolvia saltar sobre uma perna só. O que ele queria mostrar? Que podia desafiar a artrose? O coração da platéia acelerava. Lá pelas tantas, Lee Scratch resolveu abrir os braços na frente do pedestal do microfone, que estava em sua mão direita. E desandou a falar com o pedestal. Foram umas duas frases até que ele percebesse que não estava saindo som, já que o microfone estava em sua mão estendida e não no pedestal. Lee Perry pegou uma rosa branca da platéia. Se emocionou e não largou mas as pétalas. O caule ficou em algum lugar do palco. Ele expulsou os demônios das pessoas, exorcizou a violência do Brasil e foi embora. Fez uma pajelança quando cantou pra chover. “I wish it would rain”, de Marvin Gaye. E se saísse dali com aqueles trajes pra dormir na calçada, ninguém daria muita atenção.

Lee Perry é uma espécie de Nélson Sargento mundial. Se o nosso sambista não recebe tal louvação (ou seria glorificação?) por aqui, bem que poderia. Mais do que desfilar sua arte, ambos carregam suas história pelo mundo e o valor que elas, em si, representam. No caso de Perry, a super-banda ajuda e muito. A loucura o transforma num freak-do-bem. E tudo isso misturado cria uma atmosfera única e uma lembrança desse fragmento de História que o Circo Voador viveu.


ficha técnica
:
Lee Perry
Rio de Janeiro, 14 de abril de 2007
Circo Voador
abertura: Digital Dubs

****************
Aliás, o som do Circo estava espetacular. Coisa rara. Vale o registro.

****************
E também vale frisar que o show era pra ser uma edição carioca do Abril Pro Rock. Era. A produção não providenciou nenhuma citação, nenhum banner, nenhum backdrop ou um fundo de palco que remetesse ao festival e aos patrocinadores – entre eles a Petrobras e o Governo de Pernambuco – que viabilizaram, com o dinheiro público, tal iniciativa. Nenhuma menção dentro do Circo Voador. É o tipo de cuidado que não se pode deixar de ter, ainda mais num momento onde toda a política cultural do Brasil é financiada por iniciativas públicas. Eu, pelo menos, fiz a minha parte e fui com a camisa do festival. Edição 2005.... Não custava ajudar...

Isso sem falar na divulgação precária feita para um evento desse porte no Rio de Janeiro. Parece que isso está virando moda.


****************
Vale o registro. O SOBREMUSICA começou há exatos dois anos, nesse tal Abril Pro Rock 2005. Coincidência ou não, esse é o post de número 400 desde então - talvez a gente chegue ao 1000 antes do Romário -, e traz justamente um um texto da edição carioca do APR. Pra completar, hoje o site chega a marca de 50 mil páginas vistas. Não é nada, não é nada... Não é nada.

De qualquer forma, a família agradece por tudo.

3 Opine:

At 14:05, Blogger Joca said...

parabens pelos "aniversarios" e pela resenha do show...

qto ao post 1.000 antes do romario não há duvidas... a não ser que o baixinho arrume um amistoso contra o XV de Piracicaba.

abraços!

 
At 13:00, Blogger chicodub said...

linkei a crítica do show do perry no meu blog.
1 abs,
chicodub

 
At 18:01, Blogger dedé said...

parabéns mais que merecidos, bruno e bernardo.
vocês arrebentam.
sou fã.

 

Postar um comentário

<< Home


Fino Coletivo no Cinemathèque
Completando os sentidos...
MAGIC NUMBERS NO BRASIL !!!!!!
DFA 1979, Panic! At the Disco, Gabriel Benni
Se você tem um videoclipe...
New Rave (Old Punk)
"Abriram o portal..."
Entrevista: Felippe Llerena (iMúsica)
Entrevista: Paulo Marinho (Multishow)
Entrevista: Alexandre Matias

- Página Inicial

- SOBREMUSICA no Orkut



Envio de material


__________________________________

A reprodução não-comercial do conteúdo do SOBREMUSICA é permitida, desde que seja comunicada previamente.

. Site Meter ** Desde 12 de junho de 2005 **.