contato |@| sobremusica.com.br

Bernardo Mortimer
bernardo |@| sobremusica.com.br

Bruno Maia
bruno |@| sobremusica.com.br

2.5.06

Show: Cansei de Ser Sexy, em São Paulo

Não Tem ‘Se’ Para Que Ela Dance e Eu Dance

       Não dá para ver o Cansei de Ser Sexy de longe. Respeite a regra. Não dá para ficar especulando se aquilo é emo (não é), se parece a Xuxa (nhé, bem pouco, dá pra ser mais criativo) ou se é mais punk do que o punk. Não é por aí.
      Estabelecidas as condições para o início do texto, ao próprio.

       Lovefoxx, 21 anos, segunda a comunidade dela no orkut e a jornalista Érika Palomino, é uma garota super poderosa. Sábado à noite foi assim. Transpirando alcohol e satisfação em estar no palco (“bó-binho, bó-binho, bó-binho”), a japonesa enlouqueceu a Outs no que ela, sincera e tropegamente, não parava de chamar de o melhor show do Cansei da vida. “De público que eu tô falando, não de banda”.
       Para quem acompanhava a ascensão da banda só, e exclusivamente, pelas páginas da Folha de São Paulo, o que mais motivava uma ida até lá era a desconfiança. Ainda batia na memória a péssima apresentação no Tim Festival de 2003, quando convidaram Supla para cantar e vieram com uma série de piadas internas que não tinham como fazer sentido num palco maior do que eles (, então). Depois, pela Internet, deu pra descobrir que a banda também achava ruim o episódio Tim. Houve problemas com a passagem de som, etc.
       A Outs, na boêmia Rua Augusta, estava lotada, com um público em grande parte gay. Para além disso, surpreendeu a predominância masculina no ambiente. O som dos djs era rock’n’roll, de Clash a muito Strokes e de volta a Libertines. Também rolou Placebo, o que causou um pouco mais de comoção. Nada de música eletrônica.
       E, no meio da introdução de uma música dos djs Valentim e Tati, quase de surpresa, entra a bateria marcada do Cansei, Adriano Cintra na guitarra e Lovefoxx sorrindo e balançando os cabelos. Começa um leve empurra-empurra, excitação em alta, sem histeria. O início clássico de um bom show de rock.
       Lovefoxx é linda, pequena e sexy. Veste-se com sobreposição de roupas, o que poderia apontar para o grunge – mas não. Os tons são todos cítricos, exatamente como na new wave ou no heavy metal farofa em que Seattle pisava em cima e jogava pra trás na história. Tênis de cano alto, calça amarela fosforescente colada, e debaixo de um macacão preto e de uma camisolão também amarelo, uma camiseta com o rosto de Bob Esponja desenhado. Bob reapareceria algumas vezes ao longo da noite, com os olhos espertamente rabiscados nos peitos da musa indie japonesa. “Bó-binho, bó-binho, bó-binho”.
       Enquanto Adriano Cintra, aquele do finado thee Butchers Orchestra, se reveza com Luiza Sá, Ira e Ana Rezende na bateria, guitarra e baixo, Lovefoxx magnetiza a platéia. Diversão, diversão urgente. Riso de bêbado nem aí para caras feias, sejam elas as tuas, as de quem sabe o que é o verdadeiro rock, ou as de quem acha que aquilo não pode ser bom. O fotolog sobe no palco, a falta de vergonha de quem tem na vida um profile de orkut aberto (deixe seu scrap, se for o caso). Ah, o teclado é tosco, mais do que as guitarras. As letras são em inglês de paulista ligado, e envolvem David Bowie, Paris Hilton, J Lo, Kelly Key (no show, nem tanto) e algo de postura Iggy Pop. Fora o Bob Esponja.
       Apesar dos gritos de “rock paulista” do herói indie Cintra, o pop que o CSS abusa e usa é o da Internet, sempre em construção, sempre incompleto, sempre auto-referente e até quando é sem saco, divertido e rico. Há de tudo lá, você deve saber. De ‘Art Bitch’, ‘Let’s Make Love And Listen Death From Above’ e ‘I Wanna Be Your J Lo’ até as mais pedidas -que fecharam o show - ‘Alcohol’, ‘Superafim’ e ‘Music Is My Hot Hot Sex’,
       Histórico. Se você não acompanha, precisa de uma conexão mais rápida.



Adendo

      O moço Adriano Cintra, via orkut, pede que seja feita a correção. Thee Butchers Orchestra continua vivo. É isso.

7 Opine:

At 19:28, Blogger Bruno Maia said...

fotinhas, fotinhas.. faltaram fotinhas

 
At 10:37, Anonymous Luiza Sá said...

brunitcho, foi voce que escreveu isso?
roque paulista é uma piada tb. mas deixa essa pra próxima

 
At 11:14, Blogger Bruno Maia said...

Não sei se o 'Brunitcho' ao qual a Luiza se refere sou eu... Caso seja, respondo que não sou eu o autor do texto, e, sim, o nosso valoroso jovem talento Bernarditcho Mortimer...

Volte sempre.
BM

 
At 11:47, Anonymous Débora said...

não gostei.

 
At 17:33, Blogger Bernardo Mortimer said...

Adrian Cintra pede, no orkut, que seja feita a correção: Thee Butchers Orchestra não é finado.
Quando sobrar uma horinha eu paro e conserto na página principal, prometo. Viu, moço?

 
At 14:28, Blogger Bernardo Mortimer said...

Pronto.

 
At 20:21, Anonymous Anônimo said...

O Butcher´s acabou sim. Aliás a pior coisa que o Adriano podia ter feito era ter saído da banda. Ou não. Talvez ele relamente não esteja mais à altura.

 

Postar um comentário

<< Home


A entrevista que eu não fiz
Conversa: Patrick Laplan (parte 1)
Aviões de papel
Dois parágrafos sobre o Binário
Crítica :: Islands, Return to the sea
Shows: Canastra e Nervoso e os Calmantes
Boatos do rock (vs.2006b)
O som do silêncio
:: instantâneas
Diferença de gerações: uma bobeira

- Página Inicial

- SOBREMUSICA no Orkut



Envio de material


__________________________________

A reprodução não-comercial do conteúdo do SOBREMUSICA é permitida, desde que seja comunicada previamente.

. Site Meter ** Desde 12 de junho de 2005 **.