contato |@| sobremusica.com.br

Bernardo Mortimer
bernardo |@| sobremusica.com.br

Bruno Maia
bruno |@| sobremusica.com.br

22.1.07

CD :: Mariana Aydar, "Kavita 1"

Como se faz uma resenha sobre o disco de uma nova cantora? No caso, Mariana Aydar. "Kavita 1" é o incensado début da paulistana. E de cara digo que, pra mim, não bateu. Sei que, em teoria, uma resenha tem que justificar as impressões que crava. Acho que não vou conseguir fazê-lo. Até porque não estou dizendo que o disco é ruim - o que me obrigaria à justificativa. Não estou dizendo que ela canta mal, muito pelo contrário. Não estou dizendo nada disso. Mas o fato é que... sei lá, entende?

Vamos tentar.


- A voz dela é boa?
É, ela é super afinada, tem potência... A voz tem presença, mas cai um pouco na sarjeta de lembrar Elis Regina. Nada contra Elis, pelo contrário, tudo contra quem tenta imitá-la. Não é o caso de Mariana. Mas as interpretações, vira-e-mexe, acabam esbarrando naquela coisa meio... meio... meio Elis.

- O repertório é bom?
Hmmm... Tá aí outra questão. É e não é. As músicas são bacaninhas, mas sem grandes novidades. A versão de "Deixa o verão" (Rodrigo Amarante) é especialmente sem graça. Além do que, ser "nova cantora" e lançar o primeiro disco com alguma música do Los Hermanos já não é, digamos, muito original. "Na gangorra" (Giana Viscardi/Michael Ruzitschka), por sua vez, é charmosinha, maliciosa, gostosinha... "Zé do Caroço", de Lecy Brandão, é chata demais! Muito chata! Papo de um herói que fica fazendo discurso na favela durante a novela... Que coisa mais boba... Usar estas características para descrever um "novo líder" emergente de uma comunidade pobre é até desrespeitoso em tempos de José Júnior, MV Bill, Gutti Fraga...

- Tem novos compositores?
Sim, tem. Isso conta pontos? Pra mim, conta. Mas são poucos e nenhuma música desperta sensação de renovação - nem dos novos, nem dos velhos. O disco não me soprou ar fresco. Ao mesmo tempo, como reclamar de um time que tem Danilo Caymmi, Paulo César Pinheiro, João Nogueira, João Donato...? Sei lá, mas fato é que nenhuma das faixas empolga pra valer.



Independente dessas perguntas, outras questões surgem. Até quando as cantoras brasileiras vão achar que precisam falar de macumba, de Xangô & Amalá, de candomblé... Aydar tem uma música (curiosamente chamada "Candomblé") só dedicada ao tema. Fato é que a produção rebuscada, cheia de texturas de BiD (grande produtor de Chico Science, Nação Zumbi, Seu Jorge, D2, Soulslinger, Planet Hemp...), as fotos da capa - que aliás é bem feia, com vários retratos de Mariana em posições diferentes durante um ensaio fotográfico qualquer, organizados numa espécie de caleidoscópio - não deixam ninguém acreditar que ela seja realmente chegada em bater cabeça num terreiro... Parece que a religiosidade dessas cantoras só pode passar pelo candomblé, como se isso garantisse um quê de brasilidade... Esses excessos de clichês, de lugares-seguros, é que travam tudo. Difícil sentenciar que ela não vá vingar. Também é difícil esvaziar as composições, que com o tempo podem ganhar peso de clássicos. Mas é complicado acreditar que isso vá acontecer.

A fusão de temperos, de barulhinhos com forró, samba, candomblé, etc, não criam o roteiro apropriado. A voz dela é boa, mas isso é pouco. "Braseiro", de Roberta Sá, por exemplo, trouxe bem mais frescor, mais espontaneidade, menos pretensão. Roberta mostrou ser 'mais verde' do que Mariana, mas até isso contava a favor... Vá lá que Roberta também peque por um repertório cheio de bambas, sem olhar tanto para seus contemporâneos (afora, é claro, Los Hermanos).

No fim, o disco de Mariana fica nisso. Não dá pra dizer que "é só mais uma cantora", mas também não me faz querer ouvir de novo.

*******************
Aliás, uma pena eu ter perdido o show de Érika Machado, no HPP. Li em alguns lugares que deixou a desejar. Como as fontes eram confiáveis, acredito. Só sei que o disco é bom pacas. Pra mim, o mais interessante que ouvi entre os lançados pelas 'novas cantoras' da vez.

10 Opine:

At 16:43, Blogger Joca said...

fala brunão, mas como te disse dessa vez discordo de vc. acho a mariana um sopro de criatividade e bom gosto nesse marasmo de cantoras que assolam a "nova" mpb como a erika machado e afins. kavita1, apesar dos pesares, foi um grande disco no modorrento ano de 2006. essa foi a unica critica negativa que li do cd até agora. mas é isso aí!!! abraço.

 
At 20:40, Anonymous Anônimo said...

não sou nenhum especialista, mas vi o lançamento do show da érika machado na modern sound e também no humaitá, realmente achei menos bom o segundo, achei ela muito pouco a vontade e também achei a regulagem do som terrível!!!

 
At 14:36, Anonymous Roberto Videla said...

Hola:
No pude insertar este comentario en el blog, me rechazan la contraseña.
No concuerdo con tu comentario sobre Mariana Aydar, me parece excesivo e injusto. Es extraño sentir tanta disparidad de criterios sobre una misma persona.
No la conocía y la vi en el Homenaje a Eduardo Gudin en el SESC Pompéia. Me llamó mucho la atención la frescura, la manera simple y directa de cantar, la bellísima voz, la fuerza y levedad. Busqué Kavita 1 y la impresión fue la misma. Creo que es original y especial, y que seguramente tiene un muy buen futuro.
Roberto Videla, Córdoba, Argentina

 
At 14:37, Anonymous Roberto Videla said...

Bruno:
En algo tenés razón: la tapa del cd es muy fea. MUY.
Robert

 
At 11:48, Anonymous M.A. said...

Amigo, acho que um dia vc vai reconsiderar essa sua posição. ;)

O Zé do Caroço, por exemplo, é de uma beleza ímpar.

Ela tá arrebentando nesse CD, um dos melhores do ano.

 
At 17:32, Anonymous Will said...

Aí galera! Pra quem gosta, e pra quem não gosta começar a gostar, taí a dica:

Mariana Aydar e Convidados
Com: Leci Brandão, Mário Manga, Bid,
Duani e Eduardo Nazarian
Participações Especiais: dia 4 - Céu, dia 5 - Roberta Sá,
dia 6 - Thalma de Freitas

R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada)

No Auditório Ibirapuera
4, 5 e 6 de Maio
sexta, 21h00
sábado e domingo, 20h30
Gênero: MPB

 
At 00:31, Anonymous Flávio Côrtez said...

Não vou fazer maiores considerações, afinal, é um blog pessoal, porém, 85% das coisas que li aqui, são de um equívoco absurdo.

Comecei a ouvir Mariana Aydar há pouco, todavia, sua sensibilidade é notável. O disco é bem costurado e quisera Deus se todas tivessem influência em Elis.

 
At 18:10, Blogger  said...

Concordo com todo mundo. AMas acho que masi uma vez estamos caindo naquele lugar comum do fisiologismo ao qual o brasileiro tanto se apega. Isso é completamente independente da qualidade do trabalho. Mas tb existem muitas cantoras e cantores que nao sao filhos de gente conhecida que tem trabalhos tao bons ou melhores e que nao tem chance porqwue nao sao filhos. Parece que brasileiro procura essa questao da filiação como um selo de qualidade. disseram que a Mariana nnao ousou, caiu no ligar comum. mas acho que o publico também não ousa. vai sempre aos mesmos shows.

 
At 17:45, Blogger livia said...

conheci o som da Marina essa semana. Ouvi o som dela e achei bom demais, aquela musica "onde esta vc, faixa 10 do cd kavita 1, adorei!
concordo com todos quando dizem que esse é um site parcticular, escreve o q quer assim como nós!!!!

 
At 17:06, Anonymous Anônimo said...

IMHO great album. It's all right, if you don't like it, Bruno, you are entitled to your opinion. But your agruments are totally nonsensical.
Fan from EU

 

Postar um comentário

<< Home


Érika Machado no Humaitá Pra Peixe
Podcasts :: Entrevista com Maestro Billy
SOBREMUSICA no Multishow
Internet: Napster + AOL = ?
Zé de Riba no Humaitá Pra Peixe
duSouto no Humaitá Pra Peixe
Show :: Barão Vermelho
Re-revolução (remix) '07
Tipo mulher de malandro...
Mudanças

- Página Inicial

- SOBREMUSICA no Orkut



Envio de material


__________________________________

A reprodução não-comercial do conteúdo do SOBREMUSICA é permitida, desde que seja comunicada previamente.

. Site Meter ** Desde 12 de junho de 2005 **.